TODAS ESSAS HISTÓRIAS SÃO REAIS

......................................................................

quinta-feira, 15 de março de 2007

300 estocadas ou mais


>>Hoje em dia quando eu tomo ecstase não tenho mais nenhuma euforia sentimental. Não amo mais gratuitamente ninguém. Não fico mais rico e na hora de pagar a conta continuo a sentir culpa como naturalmente sinto. O ecstase agora me proporciona somente um delicioso efeito visual e fisico. É como se os meus neurotramissores continuassem estáveis, mas a adrenalina não. Não sei se é a mistura com smirnoff Ice que não evito em fazer, que me deixa frenético e muito mais falante. Torna-se desastroso condenar ao silêncio minha euforia. É como um psicotrópico que me faz falar tudo. Revelar as coisas mais íntimas, seduzir mentindo e muito mais eficiente. Ah, e claro, com uma autoconfiança indestrutível. Meu corpo torna-se muito maior e mais fittness. Quando me olho no espelho sou outro, meus pêlos ficam na medida, e minha glande tão perfeita e lustrosa que as vezes tento me curvar para alcança-la. Meu rosto fica lindo. Me transformo no meu próprio ideal sexual. Viro o homem que desejo e como acredito que meu bom gosto para homens é universalmente gay, isso me deixa mais seguro do que nunca. Então me encho de tesão e fico louco pra fuder: de fato, ecstase se tornou tardiamente, a droga do amor-sexual.

Oito horas da manhã cheguei da The Week e muito louco ainda, entrei no chat, verifiquei as mensagens de todos os quatro profiles, gaydar.co, disponível.com, manhunt.net e troca-troca. com (adoro esse último pq o nome sugere ser um site só de versáteis, mas ali só tem passivo! E eu tava afim de meter e muuuuuito).

Ele era malhadão mesmo. Também tinha acabado de chegar da boite. Peguei minha moto e cinco minutos depois estava na sua casa. Seu sotaque era de carioca, mas ele era do Maranhão. Seus móveis eram muito anos noventa, todos brancos e encardidos nos assentos. Penso: quando você opta por uma decoração datada, têm que refazê-la sempre, porque uma visita como a minha tem a percepcao imediata de que algo da personalidade do anfitrião estagnou ou passou. Acho que a casa é a ilustração melhor do centro emocional de cada um. Casa velha, maricona. Casa desorganizada, poc-poc. Casa suja, enrustida. Casa branca, barbie no style. Casa com vazo no meio do nada, corra!

Mas eu queria era meter e quando ele ficou de quatro com aquele cu duro, dei-lhe uns tapinhas com minha glande perfeita. Deixei-o ansioso porque lhe queria implorando. Lembro-me de ainda ter contado umas trezentas estocas com uma intervalo a cada cem. Ele ficava tão louco que pronunciava meu codinome com um ô fechado no final. Algo meio assim, veja se você me entende: ai Adrianôôô, pára Adrianôôô, devagar Adrianôôô. Mas, você não é do Maranhão, porra?! Perguntei, indignado com aquele sotaque, dando-lhe uns tapas na bunda.

Ele se cansou e quando voltou do banheiro eu estava prontinho com a chave da moto na mão. Já? Disse-me todo dengoso. Me levou até porta, e desta vez, assumindo sua sotaque natural, me perguntou todo nortista: quando vamos nos ver denovo?

Quando eu voltar do Maranhão, claro.

terça-feira, 13 de março de 2007

Juventude


>>Eu corria em direção à esquina na parte mais alta da minha rua. Com o skate na mão, ia à procura do ponto perfeito para começar a descida. Estava ouvindo Gang of Four no meu ipod shufle e aquele instante trazia, junto com o vento que secava meu rosto, uma leveza de viver que a muito não sentia. Estava moleque como um skatista irresponsável e aventureiro, é: bermudão oversize abaixo do joelho, tênis Nike SB Paul Rodrigues sujos, camiseta largadona, meu velho e fedido bone Billabong, pele brilhante de suor e um sorriso que é só meu, e de tão espontâneo, sem subterfúgios.

Um carro descia a rua e parei, esperando-o passar. Do seu carro flex popular, ao me ver, tomou um susto. Era ele, finalmente! Não tremi e nem tampouco alterei a respiração. O sangue continuo no mesmo ritmo. Voltei a correr em direção à esquina. Com o pé direito bem firme sobre a prancha, embalei e desci cada vez mais rápido.

A primeira vez q nos encontramos na internet ele era casado com uma modelo da Ford Models que passava uns dias no Rio de Janeiro à trabalho. Conversamos horas sem fim naquela madrugada. Depois nos falamos ao telefone. Sem alterações, sua voz parecia soar sem esforços, verdadeira. Gamei. A segunda vez que nos cruzamos, meses depois na internet, eu lhe disse sem vascilar: minha vida é te esperar. Ele riu. A terceira vez que o encontrei foi na vida real mesmo por acaso e ele não era casado com modelo da Ford Models porra nenhuma. Era veado mesmo. Da quarta vez que nos encontramos, ele estava de bruços sobre a cama. Beijei seus pés, seu cu, suas costas, sua nuca, parei e sussurrei quase para mim mesmo: você é a maior loucura da minha vida. Nos encontramos mais vezes. Nos prometemos envelhecer juntos, mesmo nossa diferença de idade sendo tanta.

Com a mesma intensidade que entrou na minha vida, saiu. Explicou-me num sms medroso, de bicha velha irresponsável: dias de trovões. Meses depois voltou a me procurar, da forma que sempre lhe pareceu mais segura: via internet. Me pediu desculpas, depois de usar o seu costumeiro marquetingue da culpa, o qual me fazia cair muito bem. Da última vez disse-me pessoalmente: sou como um dragão que precisa viver sozinho no topo de uma montanha. Piegas, era mais uma de suas mentiras, coisa de vendedor de químicos acostumado a lidar com criaturas rudes, que manipulam máquinas e indústrias e vende cada líquido como um elixir milagroso. Vendedor, até embaixo de lençois.

Assim lhe perdoei tantas vezes. Preso a algo que eu mesmo inventei e ele, muito esperto, deu forma. Até que um dia com os punhos cheio de coragem lhe passei um e-mail antes que ele fugisse pela quinta vez. Disse-lhe que honestidade não tinha a ver com idade, mas com o que se quer. Disse-lhe também que não existia dragão nenhum, mas um grande filho da puta egoísta e de personalidade fronteiriça. Um solitário incapaz de se revelar. Que o seu sexo tinha a potência de uma ervilha e que sua masculinidade não estava no cerne, e acredito mesmo, somente estar na casca da casca.

Quando ele, revoltado, deixou à minha porta em pedacinhos todos os presentes que eu lhe dei me bateu uma tristeza esmagadora. Daquelas que nos curvamos quando sentimos uma dor de barriga miserável. Mas não era uma tristeza por ter tido aquele desfecho em farelos de vidros e restos de papel. Era uma tristeza pura, quase sem motivos, tristeza sem sentido. Eu nao pensava em nada.

Ao chegar ao fim da rua, fiz a curva. Pisei na ponta da prancha para pegar o skate no ar. Exagerei na força e perdi a chance. O skate foi ao chão. Tentei mais uma vez, não consegui. Mas antes de tentar a terceira vez, lembrei do que tinha acabado de me acontecer: meu Deus, eu sou muito jovem!

terça-feira, 6 de março de 2007

Fora do meio? É marginal!


>>Fiquei sabendo que o Brasil tem aproximadamente 15 milhões de internautas. Levando em conta que 10 por cento da população mundial é gay segundo o IBGE, levando em conta que gay é muito mais atenado e plugado na internet do que outras classes, suponho que temos mais de 1,5 milhões de viados em plena atuação náutica virtual. Logo, as chances de você achar o que quer nos chats e nos sites de pegação, deveriam ser bem grandes.

Pois, não é que eu achei um garotão, ativo e fora do meio de 24 anos. Com jeito e voz de macho. Ufa!

Quando ele entrou no meu ap eu quase não consegui disfarçar o susto e lembrei que tinha deixado minha câmera digital caríssima visível no quarto. Ele era tão macho que beirava um marginal. Jeans sujo de homem relaxado, sapatos de camurça absorventes de chulé, um boné barato, olhos de índio e pele brasileira. Lindo! Uma espécie de macho jovem e rude, todo contido, com uma voz máscula e lenta. O metro de distância que mativemos à principio, por segurança entre nós, não me poupava do seu cheiro seco de pele e roupas usadas ha dias.

Quando ele me viu indo à janela para que lhe explicasse o que seria o "brise-soleil" do prédio ele veio atrás em passos firmes e me deu uma pegada bem nervosa, meio tensa e trêmula. Ao me virar desajeitadamente, me senti agredido. Não tenho cintura, cara! Quase falei. Sou macho demais para que outro me vire pela cintura. Não pode existir essa coreografia entre dois machos, pensei. Vai contra os códigos dos machos gays fora do meio. E como éramos, previamente estipulado, dois desses tipos, ele sem saber estava tentando destruir a minha autoridade. Mas, como foi um ímpeto provocado por sua insegurança, abstraí e deixei que me desse à volta completa com o braço.

Mas, o beijo veio com halitose e gosto de dentes mal tratados. Uma boca quente e seca que se abria demais, tocando a parte inferior do meu nariz. Respirei fundo e prendi um pouco a minha respiração. Algo se retraiu em mim. Mas, para um garoto daquela altura, lembrei que o pau poderia valer à pena todo o sacrifício respiratório. E nada que um bom drinque não resolvesse. O problema foi que ele não aceitou o drinque! Apenas uma água. Menos mal, a água refrescou um pouco e deixou sua boca mais úmida.

No quarto, ele tirou a roupa e ficou de meias soquetes brancas. O garotão lindo e marginal, virou patético e sujo. Não tinha o pau tão bom e seus pêlos eram muitos e se espalhavam pelas laterais, descendos pelas coxas. Era tão fora do meio que, não sabia ainda que, por mais fora do meio que voce seja, é preciso, mais do que tudo, uma boa aparência íntima.

Já desiludido, agi por compaixão. Desliguei o botão dos critérios higiênicos e estéticos e senti uma ligeira empolgação quando ele chupou minha bunda (chupava bem!) e pediu para me comer lambendo a boca, como quem tirava um pêlo dos dentes. Do nada, numa velocidade que até eu mesmo fui incapaz de perceber, surgiu uma camisinha na minha mão.

Ele tentou enfiar, porém era desastrado. Foram três tentativas frustradas. Decidido, virei e sentei nele. Tive uma sensação estranha. Havia entrado algo dentro de mim ali que não era um pau. Não era nem grande nem pequeno. E eu, olhando aqueles olhos pequenos assustados e inseguros, procurei sentir se vinha dele mesmo o que entrara em mim. Fiquei alguns segundos ali. Pedi meio mal humorado que ele ficasse quieto. Tentei senti meu corpo, algum certo prazer, mexi um pouco e nada. Apenas o objeto estranho ainda estava lá. Tentei beijá-lo para saber se o objeto tinha alguma conexão com outro tipo de carinho, algo mais afetuoso, e nada! Até que desisti e virei para o lado. Triste, provei finalemente para mim mesmo que um pau, às vezes, toma uma forma desconhecida, dura e sem vida. Quase como aqueles objetos que um dia tentamos enfiar em nós e depois nos sentimos mal e culpados.
Ele queria gozar e foi embora emburrado e desapontado feito um garoto de 24 anos quando desiste de sua mina inflexível.

segunda-feira, 5 de março de 2007

Cavalos e seres anódinos

>>Ele era gerente da Armani e me recebeu como tal. Era tão inexpressivo com aquela polo listrada, propositalmente ajustada ao bíceps que pareceu que ia me levar até um escritório e não a uma sala de estar. Seria uma tarefa árdua, então. Ia ter que falar demais para que não acontecesse momentos de silêncio constrangedores, ja que saquei que, daquele ali, nada sairia.

O que se espera de um gerente da Armani? Quando ele me revelou a profissão eu tive uma verdadeira surpresa e procurei nele quais critérios encontraram para que gerenciasse uma casa tão sofisticada. Talvez justamente a aparência bonita e seu jeito anódino que confudia-se com discrição. O seu apartamento de quarenta metros quadrados era de um mau gosto impressionante. Como alguém ainda hoje coloca um vaso vazio no meio do nada e reveste de madeira, todas as suas poucas paredes, e de espelhos, todas as suas portas? Eu me lembrei de quando passiei a primeira e unica vez de veleiro no nordeste. E as esculturas de cavalos em madeira que ornamentavam a cabeceira de sua cama, me lembravam um escritório de jóquei.

Aquele homem era lindo, e de braços cruzados sentado na cama, entretia-se entre a minissérie da tv e minha tagarelisse sem pausas. Eu via que ele prestava atenção nas coisas que eu falava, e como o vi solitário, entendi que o que lhe interessou mais em mim foi justamente a capacidade de falar sobre quase tudo e nao a minha aparência. Comecei falando de internet, sobre o que é virtual, inveredei por paisagismo e arquitetura, já que ele me disse que se interessava por plantas e projetos arquitetônicos. Me referi aos cavalos de madeira e elogiei a decoração, dizendo que ele conseguiu algo quase impossível com muito bom gosto: misturar, num ambiente só, motivos náuticos com motivos equestres. Uma mentira deslavada! E fiquei espantado com minha capacidade de mentir. Eu sou impressionante mentindo. Até a mim mesmo, eu convenço. Por um breve instante, me vi realmente achando o ambiente agradável.

Minha boca estava seca e então lhe pedi uma água. Ele foi até a cozinha minúscula e me trouxe um copo. Sentou mais perto de mim desta vez e então se espreguiçou deitando na cama. Isso pareceu, diante de tanta tensão sexual, convenhamos, um sinal verde. Aí criei uma coragem repetina e fui até ele. Qdo encostei meus lábios no dele senti um hálido insosso dizendo-me um “acho melhor não”. Então eu revidei e ele fitou meu volume na calça. Eu já estava cansado demais. Tinha passado as últimas duas horas ali num monólogo exaustivo e desgraçado. Queria ir embora, mas a sacada dele no meu pau me deu a ousadia de tentar mais uma vez. Me veio outro “acho melhor não”. Então, desisti e ele me vendo assim já com um nem aí nos ombros, me pediu desculpas. Não se pede desculpas por isso, ensinei-lhe. É de muito mau gosto, pedir desculpas por rejeitar alguém, continuei. Estávamos aqui tentando. Qualquer foda começa numa tentativa, eu continuava a lhe falar, já pronto para abandonar o barco de motivos equestres. E quando ele insistiu mais ainda nas desculpas se tornou ainda mais patético e apático, um ser sem vida, sem expressão, quase triste, forte porém lento, com seus passos de chinelos Armani, de um ser envelhecido, ao me acompanhar à porta.

Voltei para casa a pé. Cansado e feliz por ter acabado. Minha garganta ardia um pouco e minha auto-estima estava mais forte do que nunca. Há efeitos dolorosos ao ser rejeitados por homens bonitos, pensei. Porém quando se tem a capacidade de entender que beleza faz parte de um conjunto de coisas, uma conexão perfeita entre físico, expressão e idéias, a rejeição causada por um esteta de muito mau gosto torna-se pequena e frágil. Sendo aniquilada rapidamente pela percepção de outro tipo de estética, à que está a sua volta, a que define seu espaço físico e que indica, mesmo que não haja diálogo, o que o outro realmente é. Assim como cavalos de madeira não fazem sentido para alguém que nunca fez polo-equestre, pessoas anódinas não fazem sentido algum a pessoas que são extremamente apaixonadas por expressividade e inteligência.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Nas Alturas


>>Sentado no desktop horas depois do desolamento amoroso que tive com o ativasso da Mooca, me deparei com outro ativo. Não de um subúrbio fetiche de São Paulo, mas de Belo Horizonte, Minas Gerais. Esse acabara de chegar do feriado de carnaval e estava “num tesão maluco”, como me disse. Queria foder uma bunda de macho discreto que nem ele. Ele tinha taras por homens discretos. Estou ainda para ver homens com tara por outros afetados. Para mim dizer que curte homens discretos é como soltar um “eu odeio pernilongos”! Alguém por acaso, curte dor de cabeça? Mas, como gosto de arriscar, lá estava eu entrando naquele prédio novo e sem estilo, típico de construções baratas e pré-moldadas que abarrotaram a regiao periferica dos Jardins nestes ultimos cinco anos, perfeitos para bixas de poder aquisitivo mediano que compram em prestacoes sem fim e se iludem com a falsa ideia da sofisticacao. Ele morava no viségimo primeiro andar.

Geralmente quando nos aproximamos do momento do encontro, tendemos a ficar nervosos, ter pensamentos confusos e ágeis sobre o que nos espera. As vezes até, pensamos em dá meia volta. Nosso coração dispara, os membros do corpo tendem a agir por livre e espontânea vontade. Como os braços que não sabemos aonde deixa-los. Se metemos as mão nos bolsos e forçemos para baixo para definir o tríceps, ou se simplemente coloquemos uma das mãos na cintura e soltemos levemente um ombro para não ficar tão pôser...Nesses instantes finais, geralmente nem nos reconhecemos porque tudo em nós nos incomoda, o cabelo, a camiseta, o jeans, a pele. Até se você já aprendeu aquele truque para baixar a laringe para tirar sua voz metálica, caso a tenha, você põe-se a fazer sem parar até irritar a garganta toda. Resultado, diante da porta do novo pretê, você é quase outro e está tão exausto que nem se da conta disso, a não ser quando você constata que o outro não merecia tanta farsa assim. Mas, eu ao longo dessa década como usuario de internet, não adoto mais postura nenhuma, não penso em nada, a não ser nos meus afazeres, na minha conta bancária, na última chatisse do Ferreira Gullar, ou na capa incrível com a Gwyneth Patrol usando um Marc Jacobs incrível na W. Mas a idéia de subir vinte e tantos andares, contando com as garagens, o play ground, me causou uma certa ansiedade. Era muito tempo dentro de uma espaço tão pequeno, e ainda com um espelho gigante me fazendo acusações. Mas lá estava eu encarando isso, tentando me lembrar se era o 2102 ou o 2103. Não importava, era so mais um pretexto para não pensar na altura. Detesto altura. E tudo que me leve até ela. Odeio elevadores. Odeio ambientes fechados.

Ao passar pelo quinto percebi que realmente esqueci o número do ap e ao pegar o celular me dei conta que estava sem bateria. Pensei na possibilidade de ele está na porta me esperando também ansiosamente, ou na possibilidade de tocar no ap do vizinho e criar mais uma situação constrangedora. Mas foi passando pelo décimo terceiro que o elevador parou, parou repentinamente, apagou as luzes. Tudo estava parado. Até minhas idéias pararam. Era eu comigo mesmo, tentando manter uma postura tranquila e entender o que acontecia ali. Eram onze horas da noite e naquele prédio nada se movia. Eu não ouvia nada, nem a rua, nem os passos do zelador vindo me salvar. Em pelo menos um minuto de escuro o pânico me invadiu junto com um certa irritação. E pus-me a esmurrar aquelas paredes de metal, hora com muita força, hora muito contido com medo de chamar muita atenção. Minha idéia era apenas chamar a atenção do porteiro ou do mineiro, os únicos que sabiam de fato da minha visita. Mas, e se o cara me pegar dando gritos? E se ele me ver nervoso e descontrolado, sem nenhuma dignidade?...Comecei a não me reconhecer e então o elevador voltou a subir. Tinha apenas oito andares para me recompor e buscar o equilíbrio do exercício pratico do não tô nem aí.

Ele me recebeu de bermuda de surf. Peitinho bom, obliquos saltados, pêlos aparados. Tinha bons móveis. E quando pedi para ir até a janela para que ele me analisasse em movimento, ele prontamente me indicou e me seguiu. Aí me abraçou por trás, rapidamente me virou e me deu um beijo frio. Pegou no meu pau rápido demais para ser um ativasso. E quando fomos para o quarto deitou feito uma criança que pede para a mãe a mamadeira. Ele ficou mais lindo ainda cheio de tesão e chupava meu pau com muita delicadesa, como quem chupa um doce com receio que acabe. Então, vítima mais uma vez do meu próprio pau, adotei a postura de sempre e meti a língua em sua bunda. Ele soltava ais demais, seus olhos diminuiam a medida que eu lhe metia a lingua no cu. Até que então ele se rendeu e disse todo viadinho: me fode.

Eu fiquei preso no elevador, eu lhe disse. E ele, já meio com tédio depois de ter gozado, completou que tinha imaginado na hora da queda da energia. Eu fiquei indignado com tamanho descaso e logo avistei sobre o seu criado mudo um machintosh novinho em folha. Me veio a idéia de que tudo depende da energia das máquinas. Assim como elas facilitam elas podem atrapalhar. Não adianta enganar o instante, a realidade. Ela é quem te engana. A realidade é quem te apronta surpresas. E que na verdade onlines ou não, conectados ou nao, sempre somos a mesma coisa, por mais mentiras que contemos e desejos novos que exercitemos. Não adianta adotar tipos porque esses se desmontam diante da energia do momento, da energia do outro que se sobressai com a sua certeza de ser o qué.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

"Eu já te amo"

>>Eu o encontrei no chat e já me disse assim: sou dotado e ativasso e estou afim de meter, não sou e nem curto afeminados. E eu no meu desapego, no meu ceticismo, no meu cansaso todo que adquiri ao longo daquelas horas usando aquele chat, entendi tal informação como apenas mais uma, e lhe disse um ok rápido e simples seguido do meu número de celular.
Então qdo ele me ligou já tarde eu já estava dormindo porque nem mesmo esperava um chamado seu. Disse para vim pq estava apenas lendo e não dormindo como indicava minha voz rouca. Aí ele chegou, todo macho, meio com trapézios armados, sob uma camiseta regata preta de homem comum. Vi que seu jeans era bom e o tênis tinha uma velhice adequada. Então quando eu o vi realmente belo, quando eu realmente o olhei bem de frente, o vi raro e caí no nervosismo me precocupando com as lacunas no diálogo lacônico que se dá nesses tipos de encontro e, como sempre, pus-me a falar apressadamente, tentando falar as coisas mais interessantes possíveis ou o que eu consegueria resgatar da minha memória, ali já pertubada demais. Falei dos seus olhos e da sua aparência moura e então em Granada, minha viagem mais recente. Falei da infuência moura no sul da espanha, do calor da região e da minha fragilidade diante de temperaturas extremas. Usei essa expressão mesmo “fragilidade diante de temperaturas extremas” e coloquei uma carga de masculinidade maior na hora de falar para provar que homens machos também podem usar expressões mais elaboradas. Finalmente fomos para o quarto e disse-lhe para ficar à vontadee. Ele logo tirou toda a roupa e quando elogiei o seu corpo ele ajeitou as bordas das cuecas para contraír ainda mais os músculos e me disse como quem tentava me dizer que não ligava muito praquilo: que nada brother!

Aí deitei ao seu lado e continuei a falar de mim, mas imediatamente me dei conta que a tática estava errada e comecei a lhe perguntar coisas simples, não muito pessoais para não parecer um interrogatório gratuíto. Peguntei o que ele fazia. Mas aquele tipo, com aquele corte de cabelo, com aquela leveza não me parecia muito ter experiência em administrar a empresa da família. Então, percebi q ele não tinha se desmontado ainda e que a mentira ainda estava presente. Aí cansei um pouco e tentei apressar as coisas. Peguei no seu pau e o chupei sem vontade alguma. Era um belo pau. Grande. Mas a falta de vontade era na verdade provocada pela minha total submissão, pela minha insegurança e complexos físicos. Era quase uma agressão aquele homem todo tá ali sentindo tesão em mim. O que me levava a crer que a mentira iria até o fim, e como não gosto de mentiras tratei de acabar com ela o mais rápido possível. Aí ele gozou e eu ri e ele riu por eu tá rindo dele. Aí virei pro lado e ficamos falando sobre o que aparecia na tv, numa aparente preguiça pós gozo. Nisso ele repousou a mão sobre a minha perna delicadamente e foi nesse instante, nesse pequeno detalhe, q a mentira pareceu se diluir. E então ele foi embora.

Nos dia seguinte me ligou logo cedo. Falamos horas sobre nós no msn, falamos coisa mais íntimas e reveladoras, mostramos novas fotos, trocamos orktuts e finalmente marcamos de nos ver novamente. No domingo eu o fotografava, pegava minha câmera como quem tocava nele o mais delicado possível. Arrumei-lhe os pêlos íntimos qdo fiz um enquadramento e tive uma sensação de brincar com a coisa mais rara do mundo e então lhe dei um beijo.

No terceiro dia seu jeans bom foi substituído por uma calça saruel e o tênis bom por uma papete ruim. Rapidamente tive a impressão de ser outro. Fomos ao cinema, fomos ao teatro, passamos noites inteiras falando de tudo que queremos da vida e procurando feito adolescentes o maior número de cumplicidades possíveis. E na segunda semana, ele finalmente se revelou e disse que me amava. Ele olhava tanto nos meus olhos e insistia em repetir "eu já te amo" que era como estivesse me avisando de sua própria facilidade em me amar ou me acusando de algo que eu lhe escondia. Eu queria ter tido coragem de lhe dizer que não é isso o que me convence. Na verdade, é visívil e não fácil o que me convence. Mas não tive, e lhe respondia afirmativamente, me conhecendo bem, pois sabia que mais cedo ou mais tarde inevitavelmente eu o amaria.

Então ele sumiu. Se despediu com um sms, apareceu no msn me chamando pelo primeiro nome. Saiu com um até mais e então caí em prantos. Mas, não um pranto de quem leva um pé na bunda. Um pranto de quem sabe que está condenado às fórmulas novas dos encontros. E que essa necessidade de apressar as coisas faz parte de uma falsa esperança que parece que se veio com a internet e instalou em todos nossos âmagos: a falsa esperança de que o amor na verdade é uma invensão de cada um, e não um sentimento natural que nasce, cresce e cresce e só pode ser sentido na real. O amor é tão inteligente...e lhe disse isso tudo por e-mail já que não atendia mais minhas ligações. Ficamos numa troca de insultos estúpida e sem frutos. Ele se pôs a me agredir, de me chamar de possessivo e inseguro. E que o homem que ele buscava não poderia ter essas características “assim de cara”. Que ele, me amava sim, só que agora (dois dias depois) de um “jeito diferente”.